quarta-feira, 20 de junho de 2012

Conhecendo o Deus da provisão



Uma das coisas que a vida já me ensinou e tem ensinado a muitos é que somos, na integralidade, sustentados por Deus em todos os aspectos e sentidos. Nossa provisão vem Dele. Somos mantidos e vivemos debaixo de Sua misericordiosa e amorosa graça.
Contudo, a sociedade em que vivemos mostra-nos uma realidade que vale a pena analisar. Um contexto onde todos estão sobremodo preocupados em manter-se e buscar seu próprio meio de sobrevivência. Um dos maiores exemplos disso foi à revolução feminina. Mulheres saíram de suas casas e famílias para, juntos com seus companheiros, buscar a provisão e sustento para seu lar. Mais tarde os filhos, assim que aparentemente aptos, também começaram a agregar sua ajuda para a renda familiar. Assim, aprendemos que precisamos “correr atrás”, “fazer acontecer”, “matar um leão por dia”...


A Bíblia nos ensina sobre e nos mostra a importância do trabalho. O próprio Adão, quando colocado no Éden, foi comissionado a “lavrar” a terra (Gen. 2:15). Não ficou ali, deitado numa rede, tomando um suco de laranja. Desfrutou de tudo o que Deus havia lhe dado, mas tinha a função de lavrar e zelar pelo jardim.
O conceito do Deus da provisão não é um apelo à preguiça ou ao ócio. Mas é um convite a depender de Deus em sua plenitude. Compreender que tudo somos ou temos vem Dele:
Porque quem sou eu, e quem é o meu povo, para que pudéssemos oferecer voluntariamente coisas semelhantes? Porque tudo vem de ti, e do que é teu to damos. I crônicas 29:14
Somos tentados a confiarmos em nosso talento e habilidade, na nossa renda ou salário, no nosso emprego ou trabalho. Com isso, tendencialmente creditamos direta ou indiretamente todas as conquistas e vitórias a nós mesmos.
No texto de Abrão em (Gen. 22) é apresentado um dilema. Um momento em que a sua dependência de Deus era provada:
E disse: Toma agora o teu filho, o teu único filho, Isaque, a quem amas, e vai-te à terra de Moriá, e oferece-o ali em holocausto sobre uma das montanhas, que eu te direi.


Se havia necessidade da dependência de Deus quando Isaque gestou e nasceu, quanto mais agora. Deus pede a Abraão uma prova não só de fidelidade e fé, mas de dependência. Agora sua joia mais rara, seu bem mais precioso é pedido por Deus.
Parece-me que o Senhor queria relembrar algo a Abraão. Relembra-lo de que sua vida precisa diariamente estar dependente da provisão de Deus. O pedido por Isaque marca esse momento. De vez em quando Deus precisa nos relembrar. Trazer a nossa memória de que nossa vida é sustentada por Ele. De que todo o sustento e toda a provisão vêm Dele.  


Jó também aprendeu isso na prática, como ele mesmo diz:
Meus ouvidos já tinham ouvido a teu respeito, mas agora os meus olhos te viram. Jó 42:5
Depender do Deus da provisão não é sinônimo de situações de facilidade ou tranquilidade, mas é a certeza de que Ele está no controle. Certamente os 3 dias narrados pelo texto foram os mais longos e dolorosos da sua vida.
Imagino a voz embargada daquele pai, que fiel a Deus, responde a indagação de seu filho dizendo:
E disse Abraão: Deus proverá para si o cordeiro para o holocausto... Gen. 22:8


O desafio para o ano que se inicia é confiar no Deus da provisão. Confiar independente da situação, independente da crise, independente da luta. É no deserto, e na limitação, é na necessidade que ficamos cientes de nossa limitação e finitude e da grandeza e soberania de Deus.
Abraão foi provado e provado. Mostrou que dependia do Deus da provisão, independente da imensa dor em sua alma. Mostrou que cria em Deus. Mostrou que confiava em Deus.


Jó declara que:
E disse: Nu saí do ventre de minha mãe e nu tornarei para lá; o SENHOR o deu, e o SENHOR o tomou: bendito seja o nome do SENHOR. Jó 1:21
Aprenda em 2011 que Deus é o provedor de tudo. Não seja acomodado, mas seja dependente Dele e da sua graça. Seja na bonança ou na prova, na crise ou na luta é Ele que te sustenta. Dependa Dele. Confie Nele. Seja fiel a Ele. No momento certo Ele se manifesta. Ele nunca nos desampara.
Não digo isto como por necessidade, porque já aprendi a contentar-me com o que tenho.
Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade.
Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece. (Fil. 4:11-13)
E glórias a Ele.


Que Deus te abençoe!




Ministro Carlos Carvalho


Fonte: Jesus Dentro do Barco

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se alimentou? me faça feliz!
comente!

Me faça feliz, Comente!

Seguidores